Voltar Terapia Sexual

A sexualidade humana é um fenômeno complexo onde estão presentes fatores biológicos, psicológicos e socioculturais. Na identificação e definição das disfunções e desvios do comportamento sexual, está presente a multideterminação.

A terapia sexual constitui uma área especializada da psicologia, da psiquiatria e da medicina. Consiste no tratamento das disfunções ou inadequações sexuais. Como exemplo de disfunções sexuais no homem, pode-se citar a disfunção erétil, a ejaculação prematura e o transtorno orgásmico. Na mulher, exemplos de disfunções sexuais podem ser a falta de desejo sexual, a anorgasmia, vaginismo.
Outros problemas sexuais podem ser tratados pela terapia sexual. São eles as parafilias (desvios sexuais) e o transtorno de identidade de gênero.

As disfunções sexuais relacionam-se ao intercurso sexual em uma das seguintes fases: (1) desejo, (2) excitação, ou (3) orgasmo.

As parafilias ou desvios sexuais são os comportamentos sexuais que se dirigem a objetos ou eventos que escapam à normas socialmente aceitas e estabelecidas. O fetichismo, o masoquismo e a pedofilia se enquadram neste grupo.

O transtorno de identidade de gênero caracteriza-se pelo desconforto e dificuldade do sujeito com o próprio sexo biologicamente determinado.

Para cada um dos problemas sexuais acima citados, é importante o levantamento detalhado do histórico da pessoa que os vivencia. O diferencial deste trabalho em sexualidade é a base na terapia comportamental, que se destaca de outras abordagens pela eficiência e rapidez na produção de resultados. Essa abordagem busca (a) o levantamento detalhado da história de vida de cada cliente, (b) a relação dessa história com o desempenho sexual e (c) a identificação das variáveis presentes e mantenedoras do problema. Por exemplo, uma história de vida que tenha produzido inibição sexual para uma mulher pode ser determinante de um quadro de ausência de orgasmo. Como determinantes presentes e mantenedores das disfunções, pode-se citar o conflito na relação conjugal e/ou a falta de comunicação entre o casal.


“Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo”. E que posso evitar que ela vá à falência. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, compreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida. Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um "não". É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta. Pedras no caminho? Guardo todas. “Um dia vou construir um castelo..." (Fernando Pessoa)


Dr. Andreia
Psicóloga

© 1996 - 2017 - AMO Assessoria em Medicina Ocupacional